STF DECIDIRÁ SE AUMENTO DE 1% DA COFINS-IMPORTAÇÃO É CONSTITUCIONAL

Ministros também concluirão se créditos decorrentes desta majoração podem ser usados

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar, nesta sexta-feira, a constitucionalidade do aumento de 1% da alíquota da Cofins-Importação – de 7,6% para 8,6% – e a proibição do direito de crédito sobre esse percentual. O relator, ministro Marco Aurélio, abriu o julgamento com um voto parcial. Ele concordou com o aumento, mas defendeu o contribuinte quanto ao uso de créditos.

A mudança na alíquota da Cofins-Importação ocorreu em 2011, por meio da Medida Provisória (MP) 540, convertida da Lei nº 12.546, do mesmo ano. Afetou produtos de alguns setores da economia – automotivo, têxtil e farmacêutico dentre eles.

Esta mesma MP também vedou o direito de crédito desse valor para apuração (dedução ou abatimento) e recolhimento da Cofins devida no mercado interno – que incide sobre a receita das empresas. A Cofins-Importação incide sobre o valor aduaneiro do produto importado.

Os ministros julgam o tema, em repercussão geral, por meio de recurso apresentado pela GP Imports Comércio de Peças e Acessórios para Veículos (RE 1178310). A importadora contesta decisão do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, no Sul do país, que entendeu a mudança constitucional.

A empresa faz duas considerações no processo. Uma delas é a de que haveria inconstitucionalidade formal, em razão de o aumento da alíquota ter ocorrido por meio de lei ordinária e não lei complementar. Também alega violação aos princípios da isonomia e igualdade, já que o produto nacional seria menos onerado do que o importado.

O advogado Luís Augusto Gomes, do escritório Viseu Advogados, chama a atenção que o Brasil é signatário do Acordo Geral de Tarifas e Comércio e que, por isso, não poderia sobretaxar o produto importado em favorecimento do produto nacional.

Esse julgamento ocorre no Plenário Virtual da Corte. Nesta plataforma, os ministros têm até uma semana para proferir os seus votos. Como o prazo é contado em dias úteis e, na próxima semana haverá o feriado de 7 de setembro, a previsão é de que este caso tenha um desfecho somente no dia 14 – se não houver pedido de vista nem destaque, que suspendam as discussões.

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) defende que por não se tratar de um tributo novo, não haveria necessidade de a mudança ter ocorrido por meio de lei ordinária. Afirma ainda, no processo, que o aumento da alíquota serviu para equalizar um benefício que a mesma MP 540 conferiu aos importadores: o da desoneração da folha.

As mesmas empresas afetadas pelo aumento de 1% da Cofins-Importação, segundo a PGFN, foram autorizadas a substituir a contribuição previdenciária sobre a folha de salários pela Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB).

“Essa justificativa consta expressamente na exposição de motivos da Medida Provisória 540. Explicitou a correlação entre o aumento da alíquota e a desoneração da folha de pagamentos de determinados setores envolvidos na produção e na importação dos mesmos itens industrializados”, sustentou aos ministros, por vídeo, a procuradora Luciana Miranda Moreira.

Ela afirmou ainda que a possibilidade de as empresas usarem crédito decorrente desse 1% esvaziaria totalmente o propósito do adicional. “Se pudesse ser descontado da Cofins na sua integralidade, o objetivo de equalização com a tributação incidente sobre a indústria nacional seria absorvido e não teria, obviamente, o efeito desejado”, disse.

Para a procuradora, não haveria violação à isonomia e igualdade. Aos ministros, ela afirmou que os contribuintes afetados pelo aumento da alíquota pretendem uma equiparação com contribuintes diferentes, de outros segmentos de importadores.

A advogada Daniella Zagari, do escritório Machado Meyer, que atua para a empresa no caso, defendeu, por outro lado, que a CPRB não é uma fonte de custeio nova. Por esse motivo, não poderia justificar o aumento da alíquota da Cofins-Importação para determinados setores da economia.

“Tanto é assim que, no início, foi prevista como substitutiva e depois passou a ser opcional. O contribuinte opta por um regime ou outro”, frisou, acrescentado não haver “nenhuma razão para justificar tratamento diferenciado”. “O importador foi penalizado duplamente com o aumento da alíquota e a vedação ao crédito, que viola o princípio da não cumulatividade.” ,concluiu a advogada.

O relator, ministro Marco Aurélio, deu razão à Fazenda Nacional quanto à constitucionalidade do aumento da alíquota. Ele entendeu que não precisava de lei complementar e afirmou, no voto, que a diferenciação de alíquota considerando determinados setores econômicos “sinaliza opção política do legislador direcionada à proteção da economia nacional”.

Marco Aurélio deu razão ao contribuinte, no entanto, sobre a vedação ao aproveitamento dos créditos. “O constituinte não deixou a critério do legislador o delineamento do regime não cumulativo das contribuições. O artigo 195 da Lei Maior autorizou, tão somente, a definição dos setores em relação aos quais as contribuições podem ser não cumulativas”, afirmou em seu voto.

Ao vedar o uso de créditos especificamente quanto ao adicional de 1% da alíquota, portanto, a norma teria implicado afronta à não cumulatividade no entendimento do ministro relator.

Fonte: VALOR ECONÔMICO


POR LUIS AUGUSTO DA SILVA GOMES

Tributário

(11) 3185-0134

lgomes@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

MP 905: SEGURO DESEMPREGO, LABOR DOMINGOS E FERIADOS E JORNADA BANCÁRIO

Trabalhos aos domingos e feriados Foi autorizado pela MP 905, que alterou o artigo 68 da CLT, o trabalho aos domingos e feriados, ficando estabelecido outrossim que o repouso semanal remunerado deverá coincidir com o domingo pelo menos uma vez a cada 4 semanas para os setores do comércio e serviços e uma vez a…

VER MAIS

ANÁLISE: ESPECIALISTAS SE POSICIONAM SOBRE MP QUE ADIA LGPD PARA MAIO DE 2021

A Medida Provisória* assinada ontem (29/4) pelo presidente Jair Bolsonaro, que adia para 03 de maio de 2021 a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados, provocou reações negativas por parte de especialistas no tema. Sobretudo porque já há um projeto de lei em estágio avançado no Congresso que prorroga para janeiro…

VER MAIS

VISEU ADVOGADOS NO WORLD TAX

Luis Augusto da Silva Gomes, sócio/advogado da área tributária do Viseu Advogados, foi nomeado como HIGHLY REGARDED pela sua atuação na área de TAX CONTROVERSY pelo diretório World Tax. Com renome internacional, a pesquisa reconhecida mundialmente considera a atuação em casos emblemáticos, bem como a avaliação de clientes e do mercado. Agradecemos aos nossos clientes,…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa