PONDERAÇÕES SOBRE OS TRIBUTOS DO PECADO

A recente declaração do ministro Paulo Guedes, em Davos, sobre a criação de um “tributo do pecado” (Sin Taxes) gerou repercussões. Muitas dúvidas surgiram a respeito desta figura tributária (até então desconhecida do público em geral). Afinal, o que seria isso? Quais seriam os obstáculos de se adotar esse tributo? Neste artigo, serão colocadas algumas ponderações a respeito da política tributária sobre o pecado.

Para começar, uma definição: é um tributo cobrado sobre o consumo considerado não desejável e nocivo à sociedade e ao próprio consumidor, visando a desestimulá-lo. A lógica, grosso modo, é, portanto, onerar, via tributação, determinado bem ou serviço porque ele pode causar malefícios sociais. Pensemos, por exemplo, na bebida alcoólica, que causa externalidades negativas, como acidentes de trânsito, dependência química, violência etc. Nesse sentido, seria interessante implementar uma medida tributária que pudesse frear o consumo nocivo, certo? Minha resposta: em parte.

Isso porque, enquanto política econômica, parece razoável criarmos uma tributação sobre bens e serviços que geram mais despesas ao orçamento dos entes públicos – até para gerar mais recursos para dar conta das externalidades negativas. Além disso, seria, como já colocado, uma alternativa para diminuir o consumo prejudicial.

Em contrapartida, aqui vão algumas reflexões que a experiência internacional traz sobre a criação do tributo sobre o pecado:

  1. Criar um tributo que aumente, em demasia, o preço do consumo indesejável pode estimular o “pecador” sem recursos a acessar determinados bens no mercado paralelo;
  • A demanda pode não se alterar com o aumento do preço, pois, em parte, ela é pouco flexível: ao invés de beber vinho (um bem mais caro), o consumidor pode procurar a cachaça (um bem mais barato); e

      3) O desestímulo do consumo sem a criação de políticas públicas, para dar conta de despesas com os setores atingidos por ele, parece uma alternativa pouco efetiva.

Resumidamente, parece-me que criar um tributo sobre bens e serviços nocivos é viável, se este não onerar demasiadamente o consumidor, não estimular o mercado paralelo (ou mesmo vier associado a medidas regulatórias para freá-lo) e vier acompanhado de políticas públicas eficientes ancoradas nos novos recursos da arrecadação. Do contrário, será mais um tributo na vala comum. 


POR

LEIA TAMBÉM...

TJ-RJ VALIDA LEI QUE OBRIGA ANÚNCIO A DESTACAR PREÇO À VISTA DE PRODUTO

Estados podem regular a divulgação de preços de produtos, pois esse tipo de lei tem natureza de Direito do Consumidor. Com esse entendimento, o Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negou, nesta segunda-feira (26/2), incidente contra a Lei estadual 6.419/2013. A norma estabelece que, nos cartazes de preços de produtos expostos…

VER MAIS

EMPRESAS TENTAM REDUZIR TRIBUTAÇÃO SOBRE INVESTIMENTOS FINANCEIROS

Várias empresas foram à Justiça para afastar a cobrança de Imposto de Renda (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) sobre a inflação embutida nos rendimentos de investimentos financeiros. O que incentivou companhias como Ambev, Mosaic Fertilizantes, Multilaser, CVC Brasil e Drogasil foram precedentes favoráveis do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Na Justiça…

VER MAIS

SENADO SE ALINHA À CÂMARA DOS DEPUTADOS NA VOTAÇÃO DO ADIAMENTO DA LGPD

Na noite de ontem assistimos a mais um episódio na inconstante definição do vacatio legis da Lei 13.709/2018, Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Dessa vez o palco da surpresa foi o Senado Federal, que, de maneira inesperada, corroborou com o Câmara dos Deputados em não dar seguimento ao adiamento integral da lei. O…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa