MUNICÍPIO DE SÃO PAULO INSTITUI A TRANSAÇÃO TRIBUTÁRIA

Em 19 de março de 2020, foi publicada a Lei nº 17.324/2020 no Diário Oficial da Cidade de São Paulo, que instituiu a política de desjudicialização no âmbito da Administração Pública Municipal Direta e Indireta e, com isso, cria a possibilidade de transação tributária.

O Município de São Paulo, com a edição da lei, objetiva: (i) reduzir a litigiosidade; (ii) estimular a solução adequada de controvérsias; (iii) promover, sempre que possível, a solução consensual dos conflitos; e (iv) aprimorar o gerenciamento do volume de demandas administrativas e judiciais.

A política de desjudicialização será coordenada pela Procuradoria Geral do Município, que ficará responsável, dentre outras, pelas seguintes atribuições:

  • dirimir conflitos da Administração Pública Municipal por autocomposição;
  • arbitrar controvérsias não solucionadas por meios autocompositivos;
  • celebrar termos de ajustamento de conduta nos casos submetidos a meios autocompositivos, desde que no âmbito de sua competência;
  • propor, em regulamento, a organização e a uniformização dos procedimentos e parâmetros para a celebração de acordos envolvendo a Administração Direta, bem como as autarquias e fundações representadas judicialmente pela Procuradoria Geral do Município de São Paulo;
  • disseminar a prática de negociação;
  • coordenar negociações realizadas por seus órgãos de execução; e
  • identificar matérias elegíveis à solução consensual de controvérsias.

Além dessas atribuições, a lei também prevê a possibilidade de celebração de acordos para a solução consensual de controvérsias, que deverá observar alguns critérios, tais como:

  • o conflito deve versar sobre direitos disponíveis ou sobre direitos indisponíveis que admitam transação;
  • antiguidade do débito;
  • observância do princípio da isonomia para qualquer interessado em situação similar que pretenda solucionar o conflito consensualmente;
  • observância do princípio capacidade contributiva; e
  • qualidade da garantia oferecida pelo devedor.

A lei prevê, ainda, a possibilidade de o Poder Executivo criar, por Decreto, a Câmara de Prevenção e Resolução Administrativa de Conflitos no Município de São Paulo, vinculada à Procuradoria Geral do Município.

Destaca-se que podem ser objeto dos acordos firmados por essa lei os débitos tributários e não tributários, desde que a sua soma não ultrapasse o limite de R$ 510.000,00 (quinhentos e dez mil reais).

A efetivação do acordo ou parcelamento, por qualquer forma, implica confissão irretratável do débito e renúncia ao direito sobre o qual se funda a defesa ou recurso interposto no âmbito administrativo ou judicial.

Outra medida regulamentada pela lei é a possibilidade de o Município de São Paulo celebrar transação tributária, nos termos do artigo 171 do Código Tributário Nacional (CTN), com seus devedores relativos à dívida tributária cuja inscrição, cobrança ou representação incubem à Procuradoria Geral do Município e que poderá se dar através de 03 (três) modalidades distintas:

  • Proposta individual ou por adesão na cobrança da dívida ativa;
  • Adesão nos demais casos de contencioso judicial ou administrativo tributário; e
  • Adesão no contencioso administrativo tributário de baixo valor.

Na modalidade de proposta individual, importante mencionar que a suspensão da exigibilidade do crédito tributário só ocorrerá mediante aceitação e homologação da proposta de transação, não sendo suspensa a exigibilidade apenas com a mera apresentação da proposta.

Já na hipótese de proposta por adesão, editais específicos serão divulgados na imprensa oficial e nos sítios dos respectivos órgãos na internet, estipulando, ao menos, as exigências a serem cumpridas, reduções ou concessões oferecidas, vedações e prazo para adesão.

Mais uma medida a ser adotada pelo Município de São Paulo, visando o melhor gerenciamento do volume de processos administrativos e judiciais, é a possibilidade de programar mutirões de conciliação para a redução dos estoques e de ser autorizado o não ajuizamento de ações, o reconhecimento da procedência do pedido, a não interposição de recursos, o requerimento de extinção das ações em curso e a desistência dos recursos judiciais pendentes de julgamento.

Por fim, informamos que o Poder Executivo regulamentará essa lei no prazo de 180 dias, contados de sua publicação.

A Equipe de Direito Tributário do escritório fica à inteira disposição de V.Sas. para quaisquer esclarecimentos ou medidas necessárias com base nesta lei.


POR LUIS AUGUSTO DA SILVA GOMES

Tributário

(11) 3185-0134

lgomes@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA ADOTAM MEDIDAS PARA COMBATER CORONAVÍRUS

Escritórios de advocacia mudaram completamente sua rotina de trabalho para tentar combater o contágio de coronavírus Mattos Filho — O escritório buscou o apoio de médicos infectologistas para definir o plano de ação de combate à pandemia. A banca reforçou os canais de comunicação com seus profissionais para passar informações sobre cuidados com higiene pessoal…

VER MAIS

MP 905/2019: PRÊMIOS E PLRS

Com as alterações trazidas pela MP nº 905/2019, os prêmios passaram a ter eficácia plena, sendo irrelevante a sua forma de pagamento ou meio utilizado para sua fixação, podendo inclusive ser por ato unilateral do empregador ou por conta de convenção coletiva de trabalho, desde que atendam alguns requisitos: (i) devem ser pagos, exclusivamente, a…

VER MAIS

COVID-19 E MEDIDA PROVISÓRIA 927: ALTERAÇÕES TRABALHISTAS EXTRAORDINÁRIAS

O Governo Federal publicou, no dia 22/03/2020, a Medida Provisória 927/2020, que dispõe sobre medidas de ordem trabalhistas emergenciais para o enfrentamento do período de decretação do estado de calamidade pública, com aplicação imediata e com duração de 60 dias, podendo ser prorrogada por igual período, entrando em definitivo no ordenamento jurídico apenas com a…

VER MAIS

JORNAL O GLOBO | NOVA LEI PREVÊ ACORDO SEM INTERMEDIAÇÃO DE SINDICATOS PARA CINCO DIREITOS TRABALHISTAS

Para especialistas, novos tipos de arranjo flexibilizam as relações RIO – A reforma trabalhista prevê que empregados e patrões negociem diretamente — sem intervenção de sindicatos — pelo menos cinco pontos do contrato de trabalho. Entram nessa lista, por exemplo, as regras de banco de horas e de compensação de jornada, hoje firmados apenas por…

VER MAIS

Decreto 10.060 de 14 de outubro de 2019 – Regulamentação do Trabalho Temporário.

Nesta terça-feira, 15.10.2019, foi publicado no Diário Oficial, o decreto que regulamenta o trabalho temporário, o artigo 2º do decreto assim o qualifica: “considera-se trabalho temporário aquele prestado por pessoa física contratada por uma empresa de trabalho temporário que a coloca à disposição de uma empresa tomadora de serviços ou cliente, para atender a necessidade…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa