GOVERNO PAULISTA CONCEDE PARCELAMENTO DE DÉBITOS FISCAIS DE ICMS-ST

Foi publicada, no dia 14 de agosto de 2019, a Resolução Conjunta nº 3, da Secretaria da Fazenda e Planejamento e da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, concedendo o parcelamento do ICMS devido a título de sujeição passiva por substituição tributária (ICMS-ST), com fatos geradores até 31/12/2019.

Poderão ser parcelados, em até 60 vezes, débitos fiscais declarados pelo contribuinte e não pagos, débitos exigidos por meio de autos de infração ou débitos decorrentes de procedimento de autorregularização no âmbito do programa “Nos Conformes”, tenham sido eles constituídos ou não, inscritos ou não em dívida ativa, executados ou não.

O pedido de parcelamento deverá ser efetuado até 31/12/2019 no Posto Fiscal Eletrônico da Secretaria da Fazenda, no caso de débitos declarados cuja soma não ultrapasse R$50.000.000,00; no endereço eletrônico http://www.dividaativa.pge.sp.gov.br, no caso de débitos inscritos em dívida ativa; ou mediante comparecimento ao Posto Fiscal de vinculação do contribuinte, nos demais casos.

Os contribuintes que não estiverem em situação regular perante o fisco e quiserem parcelar débitos fiscais não inscritos em dívida ativa, deverão prestar garantia por meio de fiança bancária ou seguro de obrigações contratuais.

A equipe tributária do Viseu Advogados se coloca à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais ou auxiliá-lo no pedido de parcelamento.


POR LUIZA SIQUEIRA

Tributário

(11) 3185-0217

lsiqueira@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

AS REPERCUSSÕES DA EXCLUSÃO DO ICMS DA BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS

Como é sabido, o Supremo Tribunal Federal (STF), no início de 2017, concluiu o julgamento do Recurso Extraordinário (RE) n.º 574.706/PR (com repercussão geral reconhecida), fixando a tese de que o ICMS não compõe a base de cálculo do PIS/Cofins. Muito embora haja embargos de declaração pendentes de julgamento, o fato é que os ministros…

VER MAIS

TRT2 NEGA NULIDADE PARA CONTRATO DE TRABALHO INTERMITENTE

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região reformou uma sentença de origem em que havia declarado a nulidade do contrato de trabalho intermitente de uma empresa do ramo do varejo. Em primeira instância a Justiça afastou a validade do contrato em razão da quantidade de empregados registrados nesta modalidade. No entanto, o TRT2 considerou…

VER MAIS

TRIBUTAÇÃO FRANQUEADORA

As questões relacionadas à tributação de Franqueadoras e Franqueados estão entre as mais discutidas – e questionadas – do segmento: Abrir uma empresa Franqueadora pode ser interessante sob a ótica tributária? Como tributar a Taxa de Franquia, contribuição para Fundo de Publicidade e Royalties recebidos pela Franqueadora? Recomendar ou não ao Franqueado que mantenha-se no…

VER MAIS

2019 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa