GOVERNO FEDERAL EXTINGUE A POSSIBILIDADE DE DEDUÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PATRONAL PREVIDENCIÁRIA DO EMPREGADO DOMÉSTICO NO IMPOSTO DE RENDA

A Lei n. 11.234/2006 estabeleceu a possibilidade de o empregador doméstico deduzir do seu imposto de renda a contribuição patronal previdenciária, calculada sobre a remuneração do empregado doméstico. A norma incluiu o inciso VII ao artigo 12 da Lei n. 9.250/1995, e estendia a possibilidade de dedução até o exercício de 2012 (ano calendário 2011).

Tal dedução teve duas prorrogações:

  • Até o exercício de 2015 (ano calendário de 2014), por meio da Lei n. 12.469/2011; e
  • Até o exercício de 2019 (ano calendário 2018), por meio da Medida Provisória n. 656/2014.

No ano passado, contudo, o Governo Federal não tomou nenhuma medida legislativa para que a dedução fosse prorrogada para o exercício de 2020 (ano calendário 2019). Logo, os contribuintes que pagam a contribuição patronal previdenciária não poderão deduzir do seu IR este valor.

Sendo essas as considerações, a equipe do Viseu Advogados se coloca à disposição para aprofundar este assunto e os seus desdobramentos.


POR JOÃO VITOR KANUFRE XAVIER DA SILVEIRA

Tributário

(11) 3185-0105

jsilveira@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL (RFB) E PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL (PGFN) REGULAMENTAM PARCELAMENTOS DE DÉBITOS FEDERAIS

A PGFN, por meio da Portaria n. 448, de 13 de maio de 2019, instituiu regras regulamentares para parcelamento de débitos federais inscritos em dívida ativa. A Portaria fixa regras para três modalidades de parcelamento: i. Parcelamento sem garantia (para débitos de até R$ 1.000.000,00); ii. Parcelamento com garantia (para débitos acima de R$ 1.000.000,00);…

VER MAIS

ARTIGO DE LUCIANA LANNA PUBLICADO NO VALOR ECONÔMICO | LICENCIAMENTO AMBIENTAL E A NOVA LEI GERAL

Publicada em: 06/07/2017O licenciamento ambiental é um dos instrumentos mais importantes de controle ambiental previsto na Política Nacional do Meio Ambiente. O procedimento vai além da simples concessão de um ato autorizativo, pois nas licenças são estabelecidas as condições de implantação e operação dos empreendimentos que têm por objetivo mitigar e compensar os impactos sobre…

VER MAIS

PROVEDORES TÊM RESPONSABILIDADE SUBJETIVA POR CONTEÚDOS GERADOS POR TERCEIROS

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou condenação do Google Brasil Internet Ltda. e considerou legal a ordem judicial que determinou a exclusão de blog com conteúdo danoso a terceiro. A relatora é a ministra Nancy Andrighi. A ação cautelar foi ajuizada por uma ex-prefeita de Mossoró (RN) e ex-deputada federal, de…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa