MP 905/2019: PRÊMIOS E PLRS

Com as alterações trazidas pela MP nº 905/2019, os prêmios passaram a ter eficácia plena, sendo irrelevante a sua forma de pagamento ou meio utilizado para sua fixação, podendo inclusive ser por ato unilateral do empregador ou por conta de convenção coletiva de trabalho, desde que atendam alguns requisitos:

(i) devem ser pagos, exclusivamente, a empregados, de forma individual ou coletiva;

(ii) devem decorrer de desempenho superior ao ordinariamente esperado, avaliado discricionariamente pelo empregador, desde que o desempenho ordinário tenha sido previamente ajustado;

(iii) o pagamento de qualquer antecipação ou distribuição de valores deve ser limitado a quatro vezes no mesmo ano civil e no máximo no mesmo trimestre civil;

(iv) as regras para a percepção do prêmio devem ser estabelecidas previamente ao pagamento;

(v) essas regras devem permanecer arquivadas por qualquer meio, pelo prazo de 6 anos, contado da data do pagamento.

A Reforma Trabalhista de 2017 já previa a flexibilização de prêmios ainda que de forma habitual, não integrando o salário do empregado. Entretanto, a Jurisprudência vinha condenando as empresas com base na habitualidade da referida verba.

As regras têm vigência a partir da data da publicação da MP (12/11/2019).

Participação nos Lucros e Resultados

A MP nº 905 trouxe alterações profundas quanto ao PLR no tocante: (i) à formação de comissão de trabalhadores; (ii) aos critérios de programas de PLR; (iii) à negociação direta com empregado nas condições elencadas no parágrafo único do artigo 444 da CLT; (iv) à natureza jurídica e extensão do campo de aplicação.

Assim, denota-se que a MP nº 905 inicialmente excluiu a exigência de representante de sindicato na comissão de negociação das regras da PLR, deixando o empregador livre para negociar com seus trabalhadores de forma conjunta, sem a necessidade de intermediação do sindicato de categoria. 

Há ainda a previsão de estabelecimento de critérios de programas múltiplos de PLR, abrindo oportunidade para que as empresas estabeleçam programas de resultados por setor, estabelecimento ou que, no mesmo plano, contemplem setores com resultados de metas diferentes entre si.

Outra novidade trazida pela MP nº 905 é a extinção da solidariedade do grupo de trabalhadores, permitindo que empregados considerados “hipersuficientes” (conforme artigo 444, § único da CLT) negociem diretamente com o empregador, criando-se um programa de PLR específico para este grupo de trabalhadores.

A natureza jurídica de valores distribuídos também recebeu tratamento que altera a finalidade proposta inicialmente pela lei do PLR. Assim, inclui o artigo 5º que atribui natureza jurídica de PLR a prêmios ajustados unilateralmente ou não pelo empregador a empregado ou grupo de empregados, valendo tal distribuição também para fundações e associações sob determinadas condições.


POR MAIARA COLPANI

Trabalhista

(11) 3185-0245

mcolpani@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA ADOTAM MEDIDAS PARA COMBATER CORONAVÍRUS

Escritórios de advocacia mudaram completamente sua rotina de trabalho para tentar combater o contágio de coronavírus Mattos Filho — O escritório buscou o apoio de médicos infectologistas para definir o plano de ação de combate à pandemia. A banca reforçou os canais de comunicação com seus profissionais para passar informações sobre cuidados com higiene pessoal…

VER MAIS

SÍNDROME DE BURNOUT E A SAÚDE LABORAL

Os trabalhadores têm sido vítimas de vários tipos de doenças no ambiente de trabalho, deixando-os incapacitados para as atividades laborais e aumentando excessivamente as ocorrências, que abrangem desde os tratamentos médicos específicos até mesmo à aposentadoria por invalidez, o que deixa a previdência sobrecarregada. Uma doença que vem ocorrendo com mais frequência é a Síndrome…

VER MAIS

RECEITA FEDERAL RESTRINGE USO DE REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO POR INCORPORADORAS

Receitas geradas com a venda de unidades imobiliárias prontas — com a expedição do Habite-se — não se sujeitam ao Regime Especial de Tributação (RET). Com isso, não pode incidir sobre elas a alíquota unificada de 4% para o recolhimento dos tributos federais. Sem esse benefício, as incorporadoras devem arcar com o pagamento individual de…

VER MAIS

PARA COMPREENDER O JULGAMENTO DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

Para compreender o julgamento do novo Código Florestal Luciana Lanna 28 Fevereiro 2018 | 03h35 O Plenário do Supremo Tribunal Federal deverá concluir nesta quarta-feira (28), o julgamento conjunto das cinco ações que discutem dispositivos do novo Código Florestal (Lei 12.651/2012). Para melhor compreensão do tema e dos votos dos ministros do STF, é importante…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa