COVID-19 E MEDIDA PROVISÓRIA 927: ALTERAÇÕES TRABALHISTAS EXTRAORDINÁRIAS

O Governo Federal publicou, no dia 22/03/2020, a Medida Provisória 927/2020, que dispõe sobre medidas de ordem trabalhistas emergenciais para o enfrentamento do período de decretação do estado de calamidade pública, com aplicação imediata e com duração de 60 dias, podendo ser prorrogada por igual período, entrando em definitivo no ordenamento jurídico apenas com a aprovação do Congresso Nacional.

O texto legal prevê a celebração de acordo individual com o empregado, visando a manutenção do vínculo empregatício e flexibilizando prazos e regras contidas na CLT durante o período de calamidade pública, possibilitando as seguintes medidas:

Redução de salário:

  1. Aplicação do estado de calamidade, com a previsão de redução salário não maior que 25%, respeitando o salário mínimo da região;
  2. Previsão nos artigos 501 e seguintes da CLT;
    Observação: A MP é contrária Constituição Federal que determina a participação do ente Sindical, por isso, pode haver entendimento de sua inconstitucionalidade, logo, o posicionamento mais conservador é a redução mediante convenção ou acordo coletivo.

Teletrabalho:

  1. possibilidade do empregador alterar o regime de trabalho presencial para o remoto, com aviso formal (escrito ou por meio eletrônico) ao empregado com 48 horas de antecedência;
  2. as partes fixarão as questões relacionadas a aquisição de equipamentos e despesas, mediante contrato escrito previamente ou no prazo de 30 dias contados da mudança do regime;
  3. caso as partes não tenham os equipamentos necessários e fique impossibilitada a realização do home office, o empregado será considerado à disposição do empregador;
  4. possibilidade do teletrabalho também ser desempenhado por estagiários e aprendizes;

Observações:

  1. não há necessidade de pagamento do vale transporte, mas sugere-se o pagamento do vale refeição caso esse benefício já seja concedido e se não houver determinação coletiva em sentido contrário;
  2. sugere-se a orientação expressa para observância da jornada contratual e autorização prévia para a realização das horas extras para os casos em que há controle de jornada;
  3. para os casos em que não há possibilidade de controle de jornada, fica dispensado o controle de jornada;
  4. a realização do intervalo para refeição; observância das medidas e orientações de segurança e medicina do trabalho.

Férias individuais:

  1. possibilidade de antecipar as férias do empregado, mesmo o trabalhador sem ter completado o período aquisitivo, com aviso formal (escrito ou por meio eletrônico) ao empregado com 48 horas de antecedência;
  2. possibilidade de negociar a antecipação de períodos futuros de férias;
  3. o pagamento das férias poderá ocorrer até o quinto dia útil do mês subsequente ao início do gozo;
  4. o pagamento de 1/3 poderá ser realizado após a concessão das férias ou até a data do pagamento da gratificação natalina;
  5. o empregador decidirá quanto ao pagamento do abono pecuniário;

Férias coletivas:

  1. possibilidade de aplicação das férias coletivas, com aviso formal de 48 horas de antecedência ao empregado, sem a necessidade de aviso ao Ministério da Economia e Sindicato;

Aproveitamento e antecipação de feriados:

  1. Necessidade de aviso formal (escrito ou por meio eletrônico) ao empregado com 48 horas de antecedência;
  2. possibilidade de compensação junto ao Banco de Horas;
  3. o aproveitamento de algum feriado religioso dependerá de concordância do empregado;

Banco de horas:

  1. possibilidade de acordo coletivo ou individual, com compensação em até 18 dezoito meses após o encerramento do estado de calamidade pública;
  2. prorrogação da jornada em até 02 horas extraordinárias, não excedendo 10 horas diárias;
  3. cabe ao empregador determinar a compensação do saldo de horas;

Observação: seguir os limites de jornada fixadas na legislação, como intervalo de 11 horas entre as jornadas; intervalo para refeição e descanso; descanso semanal remunerado; adicional e hora noturna.

Suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde do trabalho:

  1. suspensa a realização de exames médicos, salvo o demissional;
  2. os exames serão realizados em até 60 dias após o encerramento do período de calamidade pública, salvo se o médico da empresa entender como inadiável determinado exame;
  3. o exame demissional poderá ser dispensado se houver um exame ocupacional realizado há menos de 180 dias;
  4. os treinamentos poderão ser realizados no prazo de 90 dias após o encerramento do período de calamidade ou realizados na modalidade de ensino a distância;
  5. possibilidade de prorrogar o funcionamento da CIPA até o encerramento do estado de calamidade;

Direcionamento do trabalhador para qualificação com suspensão do contrato de trabalho:

  1. possibilidade de suspensão do contrato, por até 4 meses, para a realização de curso de qualificação oferecidos pelo empregador, mediante acordo individual e registro na CTPS;
  2. não há pagamento de salários, mas poderá haver uma ajuda compensatória, com valor fixado livremente entre as partes e com a manutenção dos benefícios concedidos livremente;
  3. não haverá ajuda do governo na concessão de bolsa qualificação;

Observações:

  1. a realização de trabalho e/ou a ausência da efetiva realização de cursos de qualificação, descaracterizam a suspensão, com o pagamento do salário e demais encargos sociais, ficando ainda sujeito a penalidades previstas na legislação;
  2. possibilidade da edição de nova MP para tratar do assunto.

Diferimento do recolhimento do FGTS:

  1. suspensão da exigibilidade de recolhimento do FGTS nos meses de março, abril, maio;
  2. recolhimento dos valores em até 06 parcelas mensais, com vencimento a partir de julho de 2020;
  3. em caso de rescisão, haverá o recolhimento sem multa ou encargos, com vencimento antecipado;

Demais determinações:

  1. os casos de contaminação pelo coronavírus (covid-19) não são considerados ocupacionais, salvo comprovação de nexo causal;
  2. possibilidade de prorrogação dos acordos coletivos vencidos e vincendos.

A equipe trabalhista do Viseu Advogados se coloca à disposição para maiores esclarecimentos sobre o assunto e estará acompanhando de perto todas as alterações para mantê-los informados nesse período.


POR JÚLIO CESAR DE ALMEIDA

Trabalhista

(11) 3185-0187

jcalmeida@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA ADOTAM MEDIDAS PARA COMBATER CORONAVÍRUS

Escritórios de advocacia mudaram completamente sua rotina de trabalho para tentar combater o contágio de coronavírus Mattos Filho — O escritório buscou o apoio de médicos infectologistas para definir o plano de ação de combate à pandemia. A banca reforçou os canais de comunicação com seus profissionais para passar informações sobre cuidados com higiene pessoal…

VER MAIS

MP 905/2019: PRÊMIOS E PLRS

Com as alterações trazidas pela MP nº 905/2019, os prêmios passaram a ter eficácia plena, sendo irrelevante a sua forma de pagamento ou meio utilizado para sua fixação, podendo inclusive ser por ato unilateral do empregador ou por conta de convenção coletiva de trabalho, desde que atendam alguns requisitos: (i) devem ser pagos, exclusivamente, a…

VER MAIS

STJ DECIDE QUE É CRIME NÃO RECOLHER ICMS

Na última quarta-feira (20/08/2018) foi decidido pela 3ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, ainda que declarado, o não recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) configura crime contra a ordem tributária. Após vários pedidos de vista de julgamento, prevaleceu o voto do Relator, Min. Rogério Schietti Cruz, no sentido…

VER MAIS

Projeto que permite controle de empresas áreas por estrangeiros avança na Câmara

O que é Lorem Ipsum? Lorem Ipsum é simplesmente uma simulação de texto da indústria tipográfica e de impressos, e vem sendo utilizado desde o século XVI, quando um impressor desconhecido pegou uma bandeja de tipos e os embaralhou para fazer um livro de modelos de tipos. Lorem Ipsum sobreviveu não só a cinco séculos,…

VER MAIS

ESTADO DE SÃO PAULO ABRE NOVO PROGRAMA ESPECIAL DE PARCELAMENTO DO ICMS

Foi publicado no dia 06/11/2019 o Decreto nº 64.564/2019, instituindo um novo Programa Especial de Parcelamento (PEP) do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Estado de São Paulo, permitindo que contribuintes regularizem seus débitos com redução de juros e de multas punitivas e moratórias. O período de adesão teve início no dia…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa