CASAL GAY TEM DIREITO A BENEFÍCIOS FORNECIDOS POR EMPRESA, DIZ TRIBUNAL

Em decisão unânime, a Seção Especializada em Dissídios Coletivos do Tribunal Superior do Trabalho validou uma cláusula de acordo coletivo que reconhece a paridade de tratamento entre as uniões estáveis homoafetivas e heteroafetivas.

O julgamento ocorreu numa discussão sobre a concessão de benefícios oferecidos por empresas aéreas aos seus empregados e que são estendidos a cônjuges ou companheiros em união estável, como o convênio de saúde e descontos em passagens. 

Ao reconhecer o direito, a seção mencionou decisões anteriores próprias e a posição do STF (Supremo Tribunal Federal), que determinou em 2011 o reconhecimento da união homoafetiva como entidade familiar.

O julgamento tratou especificamente de dissídio coletivo envolvendo o Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre e o Sindicato Nacional das Empresas Prestadoras de Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo.

A convenção coletiva de trabalho do Sindicato Nacional dos Aeroviários, firmada em 6 de janeiro deste ano, previa que, a partir da assinatura do documento, o “parceiro (a) do mesmo sexo passa a ser considerado companheiro (a) para todos os fins de direito, passando a ter todos os benefícios concedidos pela empresa aos seus empregados (as), desde que a união estável esteja registrada em cartório”.

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) rejeitou a cláusula, por entender que ela só seria cabível em caso de ajuste entre as partes ou de regulação em lei.

A partir daí, o caso foi parar no TST, que determinou que a cláusula fosse aceita.

Para o relator, ministro Mauricio Godinho Delgado, a cláusula tem alta relevância social e jurídica, pois busca resguardar o tratamento isonômico entre as famílias dos empregados compostas de casais heteroafetivos e pares homoafetivos sem, no entanto, gerar encargo financeiro novo ao empregador.

“A cláusula apenas fixa, no plano específico das relações de trabalho abrangidas pela sentença normativa, a obrigação de que sejam atendidas regras constitucionais de proteção da instituição família e de vedação a condutas discriminatórias”, afirmou.

O STF, em 2011, já havia decidido que a paridade de direitos entre casais heterossexuais e as uniões homoafetivas é exigência constitucional – Banco de dados/Grupo Folha

Supremo Tribunal Federal

O ministro lembrou que o STF, em 2011, no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4277, decidiu que o reconhecimento da paridade de direitos entre os casais heterossexuais e as uniões homoafetivas é uma exigência constitucional.

Nessa decisão, o STF afastou qualquer interpretação do artigo 1.723 do Código Civil que impeça o reconhecimento da união contínua, pública e duradoura entre pessoas do mesmo sexo como entidade familiar, sujeitas às mesmas regras e às mesmas consequências da união estável heteroafetiva.

Além disso, o ministro salientou que a seção já havia se manifestado em duas oportunidades sobre a possibilidade de fixação de cláusula com conteúdo similar, em casos que envolviam os mesmos sindicatos.

“Essa ADI discutia a questão da paridade e se embasou na premissa de que todos são iguais perante a lei, ou seja, que casais homoafetivos e heteroafetivos têm os mesmos direitos”, explica Júlio Cesar de Almeida, especialista em Direito Trabalhista do escritório Viseu Advogados.

Para o advogado, a decisão, que é restrita aos trabalhadores regidos pela convenção coletiva dos Aeroviários, pode abrir entendimento para decisões similares a outras categorias.

Folha de São Paulo


POR JÚLIO CESAR DE ALMEIDA

Trabalhista

(11) 3185-0187

jcalmeida@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

LEI DE MULTIPROPRIEDADES É SANCIONADA PELO PRESIDENTE MICHEL TEMER

Texto foi concebido por grupo de trabalho formado no Secovi-SP, que, desde 2014, tem se dedicado a estudar este mercado O presidente Michel Temer sancionou nesta quinta-feira, 20/12, o Projeto de Lei de Multipropriedades (PL 10.287/2018). A Lei n. 13.777/2018 foi publicada no Diário Oficial da União de hoje, entrando em vigência automaticamente em todo…

VER MAIS

ACORDOS DA JUSTIÇA COMUM QUITAM PARCELAS TRABALHISTAS

Acordos celebrados na Justiça comum têm força para que dívidas trabalhistas sejam consideradas quitadas. Esse foi o entendimento do Tribunal Superior do Trabalho que extinguiu uma ação movida por um representante comercial que ingressou com processo trabalhista para ter reconhecido o vínculo empregatício e requeria verbas indenizatórias, mesmo depois de ter firmado acordo com a…

VER MAIS

GAMES: A NOVA OVELHA NEGRA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO?

O empreendedor de games encontra vários obstáculos no caminho para ser bem-sucedido no Brasil, mas um parece ser o mais difícil de ultrapassar: o do sistema tributário. O Judiciário brasileiro tem sido chamado a resolver um litígio entre o governo e importadores sobre a classificação dos jogos de videogame, que afeta diretamente o montante a…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa