ACORDOS DA JUSTIÇA COMUM QUITAM PARCELAS TRABALHISTAS

Acordos celebrados na Justiça comum têm força para que dívidas trabalhistas sejam consideradas quitadas. Esse foi o entendimento do Tribunal Superior do Trabalho que extinguiu uma ação movida por um representante comercial que ingressou com processo trabalhista para ter reconhecido o vínculo empregatício e requeria verbas indenizatórias, mesmo depois de ter firmado acordo com a empresa (uma distribuidora de medicamentos sediada em Curitiba/PR) na Justiça comum.

Para o TST, a sentença homologatória do acordo proferida em juízo cível quitou todos os direitos decorrentes do contrato de prestação de serviço. O tribunal de origem registrou que o reclamante teve dois acordos homologados judicialmente e que recebeu indenização decorrente das verbas trabalhistas pleiteadas.

O posicionamento do TST garante maior segurança jurídica para as partes  já que fica configurado que o acordo homologado e pago na Justiça Cível tem efeito de coisa julgada, de modo que não é possível que a Justiça do Trabalho reconheça relação distinta daquela previamente analisada por outra instância do Judiciário.

A equipe de Direito Trabalhista do Viseu Advogados está à disposição para outros esclarecimentos sobre a matéria.


POR JÚLIO CESAR DE ALMEIDA

Trabalhista

(11) 3185-0187

jcalmeida@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA ADOTAM MEDIDAS PARA COMBATER CORONAVÍRUS

Escritórios de advocacia mudaram completamente sua rotina de trabalho para tentar combater o contágio de coronavírus Mattos Filho — O escritório buscou o apoio de médicos infectologistas para definir o plano de ação de combate à pandemia. A banca reforçou os canais de comunicação com seus profissionais para passar informações sobre cuidados com higiene pessoal…

VER MAIS

MP 905/2019: PRÊMIOS E PLRS

Com as alterações trazidas pela MP nº 905/2019, os prêmios passaram a ter eficácia plena, sendo irrelevante a sua forma de pagamento ou meio utilizado para sua fixação, podendo inclusive ser por ato unilateral do empregador ou por conta de convenção coletiva de trabalho, desde que atendam alguns requisitos: (i) devem ser pagos, exclusivamente, a…

VER MAIS

NEWS | STJ ADMITE COBRANÇA DE COMISSÃO DE CORRETAGEM DE ADQUIRENTE DE IMÓVEL DO MINHA CASA, MINHA VIDA

Acolhendo tese defendida pelo Secovi-SP, Corte confirma prática de mercado e traz segurança jurídica às empresas de intermediação no segmento popular Por 6 votos 2, a 2ª Seção do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu ontem, 13/6, que é legal o pagamento de comissão de corretagem diretamente pelo adquirente de imóveis no âmbito do Minha…

VER MAIS

AÇÃO JUDICIAL SOBRE BRUMADINHO SERÁ COMPLEXA, DIZ ADVOGADA

Punição para a Vale deve ser em forma de multa e penalidades substitutivas da privação de liberdade, já que ’empresa não pode ser presa’ A tragédia que assolou a cidade de Brumadinho (MG) e deixou parte da área rural do município sob a lama de detritos de mineração já teve cinco suspeitos presos. Os engenheiros…

VER MAIS

INSS DEVERÁ SUBSIDIAR VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Importante e significativa decisão do STJ, tanto sob a ótica trabalhista como criminal, proferida esta semana que consolida o entendimento no que diz respeito a responsabilidade do INSS em arcar com a subsistência da mulher vítima de violência doméstica que, por esse motivo, tenha necessitado se afastar do trabalho, pelo período de até 6 meses,…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa