RESOLUÇÃO Nº 36 DO COAF, SOBRE POLÍTICA DE PLD/FTP LEGALMENTE EXIGIDA DE SUPERVISIONADOS, ENTROU EM VIGOR EM 1º JUNHO DE 2021

Entrou em vigor, no dia 1º de junho de 2021, a Resolução nº 36, do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que dispõe sobre a adoção da política e de correlatos procedimentos e controles internos de prevenção à lavagem de dinheiro, ao financiamento do terrorismo e ao financiamento da proliferação de armas de destruição em massa (PLD/FTP) por aqueles que se sujeitam à supervisão do órgão, nos termos do § 1º do art. 14 da Lei nº 9.613/98.

A referida norma visa complementar a regulamentação já vigente para cada um dos setores submetidos à supervisão do Coaf, estabelecendo o conteúdo mínimo da política de PLD/FTP e dispondo sobre estrutura de governança, avaliação interna de risco e procedimentos necessários à observância dos princípios norteadores.

Agora, os supervisionados deverão realizar periodicamente uma avaliação interna para identificar e compreender os riscos de suas atividades comerciais serem eventualmente utilizadas por potenciais infratores para práticas de lavagem de dinheiro, de financiamento do terrorismo ou de outros ilícitos.

O resultado da avaliação interna, associado ao porte e ao volume de operações do supervisionado, pode justificar o reconhecimento de situações em que a norma admite a dispensa da aplicação de disposições do seu texto, conforme parâmetros estabelecidos na Instrução Normativa (IN) Coaf nº 6/21.

Importante ressaltar, por fim, que a dispensa a que se refere a Resolução Coaf nº 36/21 alcança apenas os comandos desta resolução, não interferindo na disciplina das demais normas aplicáveis a cada um dos setores obrigados regulados pelo Coaf, quais sejam:

(i) Resolução Coaf nº 21/12, referente ao setor de fomento comercial (factoring);

(ii) Resolução Coaf nº 23/12, referente ao setor de comércio de joias, pedras e metais preciosos;

(iii) Resolução Coaf nº 25/13, referente ao setor de comércio de bens de luxo ou de alto valor;

(iv) Resolução Coaf nº 29/17, relacionada às denominadas pessoas expostas politicamente (PEPs), aplicável aos diversos segmentos de atividade regulados diretamente pelo Coaf em suas normas setoriais;

(v) Resolução Coaf nº 30/18, referente ao setor de negociação de direitos de transferência de atletas ou artistas;

(vi) Resolução Coaf nº 31/19, relacionada a medidas de prevenção e combate ao terrorismo e ao seu financiamento, aplicável aos diversos segmentos de atividade regulados diretamente pelo Coaf em suas normas setoriais;

(vii) IN nº 5/20, relacionada ao cadastramento e atualização de cadastro no Coaf, aplicável aos diversos segmentos de atividade regulados diretamente por essa unidade de inteligência financeira do País em suas normas setoriais;

(viii) IN nº 7/21, norma que entrará em vigor em 1º de junho de 2021, conforme o disposto na IN nº 8/21, referente a segmentos de atividade tanto de comércio de bens de luxo ou de alto valor quanto de comércio de joias, pedras e metais preciosos.

A equipe do Viseu Advogados permanece à disposição para dirimir eventuais dúvidas.


POR CARLA RAHAL BENEDETTI

Penal Empresarial

(11) 3185-0150

crahal@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL ALTERA REGRAS DA DECLARAÇÃO ANUAL DE CAPITAIS BRASILEIROS NO EXTERIOR DO BANCO CENTRAL DO BRASIL

O Conselho Monetário Nacional (CMN), por meio da Resolução nº3.854 do Banco Central do Brasil (BACEN) alterou as regras para obrigatoriedade da Declaração Anual de Capitais Brasileiros no Exterior (DCBE) Ano Base 2020. Leonardo Cotta Pereira, sócio da área de Mercado de Capitais e Financeiro do Viseu Advogados, elaborou informativo sobre o assunto.

VER MAIS

JUCESP | PROCEDIMENTOS PARA AUTENTICAÇÃO DOS LIVROS CONTÁBEIS

Recentemente, foi publicada no Diário Oficial da União a Instrução Normativa DREI/SGD/ME nº 82, editada pelo Diretor do Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração – DREI, que institui os procedimentos para autenticação dos livros contábeis dos empresários individuais, das empresas individuais de responsabilidade limitada (Eireli), das sociedades, bem como dos livros dos agentes auxiliares do comércio.

VER MAIS

CRIPTOMOEDAS | FISCALIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE FRAUDES

A utilização das criptomoedas está cada vez mais em alta, sendo que, somente em 2020, em meio à pandemia, a moeda digital valorizou cerca de 300%, atingindo uma máxima histórica. Ocorre que, em meio à crescente utilização para diversos fins e a ausência de regularização e fiscalização, as criptomoedas também acabam sendo usadas para lavagem de dinheiro.

Tendo em vista que as instituições financeiras se submetem a normas e legislações próprias, as moedas digitais podem ser consideradas uma inovação ao crime de lavagem de dinheiro, uma vez que não estão vinculados a nenhuma entidade que seja obrigada a fornecer informações financeiras de seus clientes às autoridades ou órgãos públicos.

Segundo relatório publicado pela empresa de pesquisa e análise de segurança em blockchain, Chainalysis, 270 contas de criptomoedas são responsáveis pela conversão de 55% dos fundos ilícitos. O relatório ainda apontou que os golpes de criptomoedas, ransomware, hacks e outras atividades ilegais recorrem principalmente a cinco serviços de exchanges não especificadas.

Tais dados apenas demonstram que a omissão regulatória é o maior obstáculo ao combate à lavagem de dinheiro por meio das criptomoedas. Mostra-se fundamental que haja posicionamento claro e definitivo das instituições sobre as criptomoedas, além de necessária regulamentação, conferindo estabilidade nas relações financeiras e previsibilidade das consequências jurídicas das condutas daqueles que pretendem participar de alguma forma do mercado.

VER MAIS

2021 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa