STJ DECIDE QUE ICMS NÃO COMPÕE A BASE DE CÁLCULO DA CPRB

Recentemente, a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu que o ICMS não deve integrar a base de cálculo da Contribuição Previdenciária sobre Receita Bruta (CPRB). Nessa oportunidade, os leading cases foram julgados sob a sistemática dos recursos repetitivos – significa dizer que o entendimento firmado deverá ser aplicado pelas instâncias inferiores.

Em resumo, decidiu-se que à discussão envolvendo a aludida contribuição substitutiva instituída pela Lei nº 12.546/11 deve-se aplicar a lógica adotada pelo STF quando do julgamento do Tema 69 da Repercussão Geral. Isto porque se trata de contribuição cuja base de cálculo também é a receita, de forma que não se pode considerar para tal fim a inclusão do ICMS – que efetivamente não se incorpora ao patrimônio do contribuinte, constituindo em verdade, mero ingresso no seu caixa com destinação final aos cofres públicos.

 

Aos contribuintes que já discutem a tese judicialmente, recomenda-se, conservadoramente, aplicar o entendimento apenas com respaldo em decisão judicial a ser proferida no seu caso concreto. Já os contribuintes que ainda não ingressaram com ação, nosso aconselhamento é para que o façam visando garantir também a compensação dos valores recolhidos a maior nos últimos 5 anos.

Estamos à disposição para tratar sobre o tema.


POR STJ DECIDE QUE ICMS NÃO COMPÕE A BASE DE CÁLCULO DA CPRB

LEIA TAMBÉM...

STJ DECIDE QUE É CRIME NÃO RECOLHER ICMS

Na última quarta-feira (20/08/2018) foi decidido pela 3ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que, ainda que declarado, o não recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) configura crime contra a ordem tributária. Após vários pedidos de vista de julgamento, prevaleceu o voto do Relator, Min. Rogério Schietti Cruz, no sentido…

VER MAIS

STJ decide que é crime não recolher ICMS

O que é Lorem Ipsum? Lorem Ipsum é simplesmente uma simulação de texto da indústria tipográfica e de impressos, e vem sendo utilizado desde o século XVI, quando um impressor desconhecido pegou uma bandeja de tipos e os embaralhou para fazer um livro de modelos de tipos. Lorem Ipsum sobreviveu não só a cinco séculos,…

VER MAIS

STJ: CORTE ESPECIAL DEFINIRÁ SITUAÇÕES PARA DEVOLUÇÃO EM DOBRO PREVISTA NO CDC

A Corte Especial do STJ julgará processo sobre as hipóteses de aplicação da repetição em dobro prevista no art. 42, parágrafo único, do CDC. Dentro da seção “Cobrança de Dívidas” do código consumerista, o dispositivo determina: “Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa