Despejo de locatário só pode acontecer com fim do contrato, decide juiz

O despejo automático de locatário só pode acontecer se o contrato firmado já tiver vencido. Assim entendeu o juiz Helmer Augusto Toqueton Amaral, da 8ª Vara Cível de São Paulo, ao analisar pedido de despejo.

De acordo com o magistrado, a aplicação do artigo 74 da Lei do Inquilinato (8245/91), que prevê o despejo do locatário em ação renovatória, só é válido quando o prazo do contrato de locação tiver acabado.

O juiz apontou que, mesmo em caso de inadimplência, o locador proprietário precisa ajuizar uma ação de despejo autônoma. Na sentença, ele julgou improcedente a ação proposta pelo locatário entendendo que, embora ele tenha preenchido os requisitos legais, a inadimplência posterior invalidava o pedido. “Não consta nem o pagamento de fevereiro até a presente data, nem o de março, aliás também indicado como em aberto”, considerou.

Segundo a advogada que atuou no caso, Priscilla Szekely Mendes, a Justiça “reconheceu a regularidade e preenchimento dos requisitos para uma ação renovatória devem ser observados durante todo o período de vigência do contrato e não apenas no momento do ajuizamento da ação”.

A advogada do escritório Viseu Advogados, apontou ainda que o entendimento “é controverso e ainda não há uma pacificação sobre a aplicação desse dispositivo”.

Fonte: Conjur


POR PRISCILLA MENDES

Cível

(11) 3185-0180

pmendes@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

GOVERNO DEFINE ESTRUTURA DA AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO DE DADOS

Depois que o Senado Federal decidiu não adiar a vigência da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais – LGPD, prevista na MP 959/2020, o governo federal finalizou e publicou no DOU de hoje o Decreto 10.474/2020, que aprova a estrutura regimental da Autoridade Nacional de Proteção de Dados – ANPD.  Nos termos do Decreto,…

VER MAIS

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO SEMANAL

Receita Federal orienta sobre a adição, à base de cálculo do Lucro Presumido, de valores relativos à variação cambial Para os fins do IRPJ e da CSLL, os valores correspondentes a custos e despesas, sejam de variação cambial, sejam de baixa de estoque, recuperados em função de perdão parcial de saldo de dívida devem ser…

VER MAIS

PROJETO DE LEI CRIA MARCO LEGAL DAS STARTUPS

Proposta do Planalto sugere Lei Complementar para regular normas envolvendo Startups e empreendedorismo. Os principais pontos são: Definição de Start-up: ter faturamento bruto anual de até R$16 milhões, CNPJ com até 6 anos de existência, e objeto social voltado para inovação. Investidor não responderá por dívidas da empresa, inclusive se entrar em Recuperação Judicial. Simplificação…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa