CÓDIGO MUNICIPAL DE DEFESA DO CONSUMIDOR DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO É SANCIONADO COM VETO DO PREFEITO

O Projeto de Lei 126/2016, de autoria do Vereador Eduardo Tuma (PSDB), que institui o Código Municipal de Defesa do Consumidor e dá outras providências, foi sancionado na forma da Lei 17.109/2019 com veto parcial pelo Prefeito Bruno Covas (PSDB), na última quarta-feira (05).

Como justificativa ao veto aposto, Covas destacou que o artigo vetado avançaria sobre competência privativa da União para legislar sobre direito processual e que, apesar de o Sistema Nacional de defesa do Consumidor pressupor atuação integrada e coordenada dos entes federativos na proteção e defesa dos direitos do consumidor, não há competência legislativa irrestrita nesta matéria. Além disso, a justificativa cita que o Código de Defesa do Consumidor admite e regulamenta a inscrição de devedores em bancos de dados e cadastros de consumidores, mas o Código de Processo Civil não desonera o devedor do pagamento de suas obrigações, em razão da mera propositura de demanda judicial.

O Vereador Eduardo Tuma (PSDB), Presidente da Câmara Municipal de São Paulo e autor do projeto que deu origem à presente lei, em vídeo divulgado em suas redes sociais, comemorou a sanção da lei, informando que a Lei teve o intuito de “proteger o cidadão paulistano das relações de consumo, contra práticas e cláusulas contratuais abusivas”.

O Presidente salientou que entre as medidas trazidas pela norma estão a proibição de exigência de caução em internação médica e tempo máximo de 5 (cinco) dias úteis para a retirada dos nomes de cadastros de proteção ao crédito. O veto oposto a matéria deverá retornar para a Câmara Municipal onde será distribuído às Comissões Permanentes para que seus respectivos membros ofereçam parecer sobre a parte vetada. Caso colocado em votação e derrubado o veto, a parte agora vetada deverá ser promulgada pelo Presidente da Casa, devendo ter a mesma numeração da lei atual. Caso mantido o veto, o mesmo é arquivado.

 

Para auxílio sobre esse assunto, procure a equipe de Direito Consumidor de Viseu Advogados.


POR RICARDO MARTINS MOTTA

Consumidor

(11) 3185-0122

rmotta@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

LEI DA TERCEIRIZAÇÃO NÃO SE APLICA A CONTRATOS ENCERRADOS ANTES DE SUA VIGÊNCIA

Lei da Terceirização não se aplica a contratos encerrados antes de sua vigência A Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho decidiu, nesta quinta-feira (3), que, nos contratos de trabalho celebrados e encerrados antes da entrada em vigor da Lei 13.429/2017 (Lei das Terceirizações), prevalece o entendimento consolidado na Súmula…

VER MAIS

TJ-SP INAUGURA NESTA TERÇA VARAS EMPRESARIAIS E 3ª VARA DE FALÊNCIAS

O Fórum João Mendes Júnior, na capital paulista, abre as portas nesta terça-feira (5/12) de três novas unidades: 1ª e 2ª Varas Empresariais e de Conflitos Relacionados à Arbitragem e 3ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais. O lançamento oficial está marcado para as 11h. As duas primeiras serão comandadas a princípio pelo juiz Luís…

VER MAIS

COBRANÇA DIFERENCIADA

Procon-SP orienta sobre cobrança diferenciada para compras em dinheiro Foi sancionada hoje (26/6) pela Presidência da República lei que autoriza a diferenciação de preços de bens e serviços oferecidos ao público, em função do prazo ou do instrumento de pagamento. Desta forma, a Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da…

VER MAIS

2019 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa