JUSTIÇA AUTORIZA CÁLCULO DE ITBI PELO VALOR PAGO EM LEILÃO DE BEM

Pelo menos dez tribunais de Justiça possuem jurisprudência favorável ao comprador

Por Adriana Aguiar — De São Paulo 11/02/2020 05h01

Quem adquiriu imóveis por meio de leilão judicial tem conseguido na Justiça decisões para recolher o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) de acordo com o montante pago na hasta pública e não sobre o valor venal do bem, como cobrado por algumas prefeituras.

A medida pode representar grande economia para o contribuinte, pois imóveis leiloados são normalmente adquiridos por valores mais baixos. Em caso analisado recentemente pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) um imóvel com valor venal de R$ 30 milhões foi arrematado por R$ 5,9 milhões. As alíquotas cobradas de ITBI variam entre os municípios, em São Paulo e Brasília é de 3%, por exemplo. No Rio de Janeiro corresponde a 2%.

O tema tem decisões favoráveis aos contribuintes em pelo menos dez tribunais de Justiça (São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito federal, Rio Grande do Sul, Paraná, Sergipe, Alagoas, Ceará e Mato Grosso), segundo pesquisa do escritório de advocacia Sigaud Advogados. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) também tem julgamentos recentes no mesmo sentido.

O advogado Bruno Sigaud, do escritório que leva seu sobrenome, afirma que a discussão é relevante porque, em razão da crise econômica dos últimos anos, diversas empresas e pessoas físicas tiveram bens penhorados judicialmente para quitar dívidas. Nesse sentido, grande parcela das aquisições imobiliárias passou a ser realizada por meio de leilões judiciais, segundo ele. Nos últimos três anos, por exemplo, 184 imóveis foram leiloados pelo TJ-SP.

O mercado de leilões de imóveis tem sido usado cada vez mais como forma de investimento, segundo o advogado da área imobiliária Luis Rodrigo Almeida, do Viseu Advogados. “A procura de clientes que me consultam sobre o tema está impressionante”, afirma.

No leilão, um leiloeiro anuncia o bem imóvel e o arrematante que der o maior lance, faz a aquisição. Ao registrar o imóvel, o cartório exige o ITBI sobre a base de cálculo do valor venal do imóvel ou do valor de avaliação para o leilão, conforme estabelecer a lei do município. Neste momento, os contribuintes têm entrado com pedidos de liminares para pagar o ITBI com base no valor arrematado do imóvel e somente no seu registro.

Segundo Sigaud, como o valor de aquisição representa o efetivo valor de mercado do imóvel, o ITBI deveria ser obrigatoriamente recolhido sobre o valor de arrematação. Diversos municípios, porém, exigem o ITBI sobre bases distintas do valor de arremate ainda no momento do registro de arrematação. “Neste momento, os contribuintes devem entrar na Justiça para recolher o ITBI sobre o valor do arremate e somente na hora do registro do imóvel, sem pagamento de multas e juros, apenas de atualização”, diz.

De acordo com o advogado, o mesmo raciocínio tem sido usado para leilões extrajudiciais, nos casos em que os bancos leiloam imóvel que foi financiado e não quitado. “Nesses casos a jurisprudência é um pouco menos pacífica, mas temos alguns julgados favoráveis, até mesmo no STJ”, diz. Entre eles, está o Recurso Especial nº 1.803.169.

As diferenças de valores pagas de ITBI podem ser significativas. Em um caso julgado em janeiro pela 18ª Câmara de Direito Público do TJ-SP, o município de Caieiras (SP) cobra o ITBI pelo valor venal de imóvel de R$ 30, 9 milhões. Contudo, o bem foi arrematado por R$ 5,7 milhões por um empreendimento imobiliário. Os desembargadores mantiveram sentença que determinou o valor de arrematação como fato gerador de ITBI, que deve ser recolhido somente no registro do imóvel.

O município de Caieiras alegou no recurso ao tribunal que a base de cálculo do ITBI é o valor venal, com fundamentação da Lei Complementar nº 5.118, de 2018. Segundo a defesa, “a utilização do preço pago em arrematação em leilão extrajudicial como base de cálculo do ITBI, considerando que a absoluta necessidade de venda pública do bem provoca sensível queda no seu valor, que então não representa, de forma alguma, o verdadeiro valor venal do imóvel”.

Ao analisar o caso (apelação/remessa necessária nº 1001783-22.2019.8.26.0106), o relator, desembargador Ricardo Chimenti, entendeu que apesar do artigo 38 do Código Tributário Nacional (CTN) estabelecer que a base de cálculo do ITBI é o valor venal dos bens, ao tratar da aquisição de bens levados em hasta pública, o STJ diz que incide sobre o valor de arrematação.

As três câmaras que julgam o assunto no TJ-SP (14ª, 15ª e 18ª) possuem entendimento consolidado a favor dos contribuintes, segundo Bruno Sigaud. Recentemente, a 2ª Turma do STJ confirmou decisão do TJ-SP contra o município de São Paulo. Segundo o relator, ministro Herman Benjamin, o entendimento do tribunal está de acordo com o do STJ de que, no caso de hasta pública, o valor venal corresponde ao valor arrematado, para fins de cálculo do ITBI (processo 1.542.296).

Já no Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE), o desembargador Luiz Evaldo Gonçalves Leite, confirmou o direito de um empreendimento imobiliário de recolher o ITBI com base no valor de um imóvel arrematado em Fortaleza por R$ 3,6 milhões – sobre o valor deve incidir a alíquota de 2%, que corresponderá a R$ 72,8 mil. Segundo a decisão do desembargador (processo 0187419-70.2013.8.06.0001), “tratando-se de imóvel arrematado judicialmente, é pacífico o entendimento de que deve ser considerado como valor venal do imóvel, para fins de definição da base de cálculo, o valor alcançado em hasta pública (de arrematação)”.

O advogado tributarista Carlos Navarro, do Viseu Advogados, afirma que esse tema é uma nova vertente de uma antiga disputa que tratou do valor de mercado (VVR) ou valor da transação. Isso porque as vezes os imóveis são vendidos bem abaixo do mercado, o que vem gerando precedentes favoráveis aos contribuintes. Para Navarro, essas decisões são acertadas, e caso o VVR supere o valor de transação, este último é que deve ser usado como base de cálculo.

A única ressalva que o advogado faz está nas situações em que existem eventuais dívidas que seriam quitadas pelo arrematante. “Em casos como esses, entendo que o valor de mercado do bem seria equivalente ao valor de arrematação mais o valor das dívidas”, afirma.

Procuradas pelo Valor, os municípios de São Paulo, Caieiras e Fortaleza não retornaram até o fechamento da reportagem.

Valor Econômico


POR LUIS RODRIGO ALMEIDA

Imobiliário

(11) 3185-0155

ralmeida@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

LGPD 2020 – rumo ao ‘business as usual’

Se 2018 foi o ano da promulgação, e consequentemente, nascimento da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, 2019 será lembrado como o ano em que a LGPD se fez conhecer pelo mercado. A estreia no (in)consciente coletivo, que se deu com pompa, fanfarra e muita energia, precedeu a entrada em vigor da lei prevista…

VER MAIS

MP 905: PRÊMIOS E PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS E RESULTADOS

Dos Prêmios Com as alterações trazidas pela MP nº 905/2019, os prêmios passaram a ter eficácia plena, sendo irrelevante a sua forma de pagamento ou meio utilizado para sua fixação, podendo inclusive ser por ato unilateral do empregador ou por conta de convenção coletiva de trabalho, desde que atendam alguns requisitos: (i) devem ser pagos,…

VER MAIS

CÂMARA APROVA REGRAS PARA DESISTÊNCIA DA COMPRA DE IMÓVEIS

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou ontem (6/06) o Projeto de Lei 1220/15, do deputado Celso Russomanno (PRB-SP), que disciplina os valores a receber pelo mutuário na desistência da compra de imóvel. A matéria, aprovada na forma de um substitutivo do relator, deputado Jose Stédile (PSB-RS), será enviada ao Senado. Quando o empreendimento tiver…

VER MAIS

2020 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa