ALTERAÇÃO DO ARTIGO 143 DA LEI DE SOCIEDADE ANÔNIMA

Em 02 de junho de 2021 foi promulgada a Lei Complementar nº 182/2021 (“Lei”) que instituiu o marco legal das startups e do empreendedorismo inovador.

Dentre as mudanças trazidas pela Lei tivemos a alteração do artigo 143 da Lei de Sociedade Anônima, o qual agora permite que a diretoria da companhia seja composta por apenas 1(um) ou mais membros eleitos:

Art. 143. A Diretoria será composta por 1 (um) ou mais membros eleitos e destituíveis a qualquer tempo pelo conselho de administração ou, se inexistente, pela assembleia geral, e o estatuto estabelecerá:(Redação dada pela Lei Complementar nº 182, de 2021)

I – o número de diretores, ou o máximo e o mínimo permitidos;

II – o modo de sua substituição;

III – o prazo de gestão, que não será superior a 3 (três) anos, permitida a reeleição;

IV – as atribuições e poderes de cada diretor.

§ 1º Os membros do conselho de administração, até o máximo de 1/3 (um terço), poderão ser eleitos para cargos de diretores.

§ 2º O estatuto pode estabelecer que determinadas decisões, de competência dos diretores, sejam tomadas em reunião da diretoria.

Embora a legislação tenha evoluído de forma positiva, infelizmente nem a Junta Comercial nem a Receita Federal conseguiram se adaptar a essa inovação, pois no momento do registro e emissão do Documento Básico de Entrada ainda temos a exigência de indicação de 2 (dois) ou mais diretores.

Assim, apesar de a legislação estar em processo de inovação e mudança, a ausência de sincronia entre Lei de Sociedade Anônima, DREI e Regulamentos da Receita Federal ainda impossibilitam às empresas a redução do número de diretores na Sociedade Anônimas de 2 (dois) para 1 (um), e consequentemente, que a legislação seja integralmente aplicada.

A equipe do Viseu Advogados se coloca à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas sobre o assunto.


POR MANOEL IGNÁCIO TORRES MONTEIRO

Empresarial e Societário

(11) 3185-0116

mmonteiro@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

O CONCEITO DE CONSUMIDOR ALÉM DAS RELAÇÕES DE CONSUMO – VULNERABILIDADE TÉCNICA, JURÍDICA OU ECONÔMICA

Embora previsto no Código de Defesa do Consumidor, seu conceito na prática perpassa por diversas teorias jurídicas. Carolina Teixeira Gomes, advogada da área de Consumidor do Viseu Advogados, elaborou um informativo sobre as principais correntes e seus impactos nos entendimentos adotados, especialmente em Tribunais Superiores.

VER MAIS

AÇÕES DE EXPERIÊNCIA DO CLIENTE COM FOCO NO NPS

Para o escritório de advocacia moderno, estar em dia com o monitoramento de seu NPS é o caminho a seguir. No post anterior detalhamos o que é o NPS, sua metodologia e comparamos o índice do segmento jurídico com o de outras indústrias. No entanto, o mais importante ao se utilizar esta metodologia é a ação…

VER MAIS

JUCESP ACEITA QUE EMPRESAS INTEGRALIZEM O CAPITAL SOCIAL EM CRIPTOMOEDAS

A Junta Comercial de São Paulo (JUCESP) autorizou, por Ofício Circular, a utilização de criptomoedas como forma de integralização do capital de sociedade empresarial. A equipe de Direito Societário do Viseu Advogados elaborou um informativo sobre o assunto e as possibilidades do uso dessa modalidade para as empresas.

VER MAIS

2021 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa