PRÊMIO NÃO RESGATADO DA MEGA DA VIRADA GERA DISPUTA ENTRE PROCON E CAIXA

Faltam poucas horas para que o prazo de resgate da bolada de 162 milhões da Mega da Virada se esgote, mas o prêmio “abandonado” virou alvo de outro tipo de disputa. O Procon de São Paulo notificou a Caixa para que o banco preste informações sobre o sorteio.

 O órgão de defesa do consumidor pediu que a administradora das loterias identifique o ganhador, já que a aposta premiada foi feita por meio eletrônico, e todos os dados do misterioso milionário são de conhecimento da Caixa.

 “Ressalta-se que a aposta efetuada através de meio eletrônico demanda a realização de cadastro e a indicação de cartão de crédito como meio de pagamento”, disse o Procon, em nota.

 De acordo com as normas atuais, os prêmios não resgatados são destinados ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que custeia cursos de graduação para estudantes de baixa renda. Mas o Procon defende que nos casos em que a Caixa tenha os dados do ganhador o prêmio seja automaticamente distribuído.

 “Se é possível a identificação do apostador, a Caixa não pode comodamente aguardar o fim do prazo e se apropriar do dinheiro. Caso o apostador esteja morto, o prêmio pertence aos seus herdeiros. E se a aposta foi feita por meio eletrônico, é dever da instituição financeira informar se não é possível identificar o seu autor”, afirma Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP.]

 

Pode ou não pode?

A destinação dos prêmios abandonados está prevista em no decreto assinado em 1967 que criou a loteria brasileira. De acordo com a lei, os prêmios prescrevem em 90 dias, a contar da data de sorteio — caso, claro, o vencedor não se apresente.

 O Procon alega que a lei foi assinada antes da criação da internet e que, por isso, caberia à Caixa esgotar as formas de encontrar o ganhador antes de decretar o fim do prazo para resgate do prêmio.

 “Essa lei é de uma época em que não existia internet, nem aposta eletrônica ou possibilidade de identificar o apostador. É óbvio que este dispositivo sofre uma releitura a partir da Constituição de 1988 e do Código de Defesa do Consumidor”, defende Capez.

 Para Ricardo Motta, sócio do escritório Viseu Advogados e especialista em relações de consumo, não há o que se fazer. “Trata-se de uma Lei Federal que, certa ou não, permanece em vigor”.

 Ele diz que o fato de a Caixa possuir os dados do ganhador e até o número do cartão de crédito usado para pagar a aposta não obriga o banco a buscar o dono da bolada.

 “O cartão usado para cadastro junto à Caixa pode ter sido emitido por qualquer bandeira, sem a necessidade do usuário possuir conta bancária”, diz Motta.

 Ele lembra, além disso, que o cartão de crédito pode não ser de quem fez a aposta, o que poderia levar a Caixa a depositar o dinheiro na conta errada.

“Muito embora possa não possuir impeditivo em buscar o ganhador, a Caixa não pode também assumir o risco de efetuar o depósito em uma conta que não tenha sido por ele indicada”, explica o advogado.


POR RICARDO MARTINS MOTTA

Consumidor

(11) 3185-0122

rmotta@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

DIÁLOGOS ANPD E SETOR PRIVADO

Inicia-se a fase de diálogo entre ANPD e o setor privado. A Diretoria da Autoridade recebeu hoje a Frente Empresarial em Defesa da LGPD e da Segurança Jurídica. A Frente, que é composta por uma série de associações de classe relevantes, tais como ABES, Fecomércio, ABO2O, Brasscom, Abria, Abradi, Abranet, dentre outras, levou uma série de sugestões e questionamentos à Diretoria, em especial quanto a pontos pendentes de regulamentação. Dentre os pontos levantados, destaca-se a questão da transferência internacional e do legítimo interesse. Mostrando-se aberta ao diálogo, a própria ANPD fez questionamentos informais às entidades quanto a seus pontos de preocupação. Além dos pontos já indicados, foram solicitados que sejam oferecidos inputs sobre autorregulamentação, data localisation e a segurança na indicação de bases legais, dentre outros.

VER MAIS

EMPRESA TEM RECONHECIDO SEU DIREITO DE NÃO RECOLHER EM DUPLICIDADE OS VALORES DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Recentemente, foi proferida decisão pela 25ª Vara Cível Federal de São Paulo que autorizou empresa a não pagar contribuição previdenciária patronal sobre verbas trabalhistas reconhecidas em decisões judiciais. A Equipe de Direito Tributário do Viseu Advogados elaborou informativo sobre os principais pontos da decisão.

VER MAIS

PROCEDIMENTOS PARA A DISPONIBILIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE DADOS PESSOAIS DO CAGED E RAIS

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho publicou Portaria que estabelece as diretrizes e procedimentos da solicitação de dados pessoais constantes no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) e na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).

VER MAIS

2021 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa