O PIX E SEU “MECANISMO ESPECIAL DE DEVOLUÇÃO”

Ainda novo, recém-lançado e com poucos meses de existência, o Pix passará a contar com uma nova ferramenta. Anunciada na terça-feira (08/6) pelo Banco Central e com data de lançamento prevista para 16 de novembro de 2021, exatamente no dia em que o Pix completa seu 1º aniversário, a ferramenta denominada “Mecanismo Especial de Devolução” chega para atender a uma “necessidade estrutural”.

Trata-se de um movimento de extrema importância adotado pelo Banco Central, que chega para corroborar com os maiores interessados no melhor uso do Pix. De um lado temos os usuários bancários, vítimas de inúmeras fraudes, que contarão com uma ferramenta mais célere na solução dos problemas. Do outro lado temos as instituições financeiras, que já comprometem bilhões de reais anualmente em investimentos com segurança, e, agora, poderão atuar individualmente, e desde o início, com mecanismos de auxílio aos seus clientes.

Através do “Mecanismo Especial de Devolução” será possível padronizar as regras e os procedimentos para viabilizar a devolução de valores transacionados por meio do Pix, em especial para aquelas situações em que exista fundada suspeita de fraude ou naquelas em que sejam observadas falhas operacionais nos sistemas das instituições envolvidas na transação.

Apesar de já existir uma forma de devolução de valores pelo recebedor, desde o lançamento do Pix, esta nova ferramenta possibilitará que a instituição do recebedor seja a iniciadora da ação. Através da ferramenta, todo processo contará com maior celeridade e eficiência, inclusive fortalecendo a possibilidade de o usuário reaver valores que tenham sido retirados das suas contas por meio de fraudes.

No formato atual, vale recordar, ocorrendo algum tipo de fraude ou mesmo falha operacional do sistema, as instituições envolvidas necessitam de procedimentos operacionais bilaterais, o que acaba dificultando o processo e retardando o tempo necessário de análise do caso e a sua finalização.

Por fim, e não menos importante, também foi definido pelo Banco Central que a instituição responsável pela devolução através do uso do “Mecanismo Especial de Devolução” necessitará notificar tempestivamente o usuário acerca do débito realizado na sua conta, fazendo constar tal informação no seu extrato de movimentações.

 


POR RICARDO MARTINS MOTTA

Consumidor

(11) 3185-0122

rmotta@viseu.com.br

LEIA TAMBÉM...

FBI RELATA QUE GOLPES ENVOLVENDO E-MAILS CORPORATIVOS CUSTARAM QUASE US$ 2 BILHÕES PARA AS EMPRESAS

Recentemente, o FBI, polícia federal dos Estados Unidos, publicou o relatório “Internet Crime Report 2020”, em que relatou mais de 791 mil reclamações sobre diversas tentativas de golpes no ano de 2020.

Os esquemas de comprometimento de e-mail corporativo, também conhecidos como BEC (sigla em inglês para Business E-mail Compromise) somaram quase 20 mil reclamações. O FBI ainda relatou um aumento no número de reclamações relacionadas a ataques cibernéticos, sendo que as mais de 791 mil queixas representam um salto de 69% em relação aos registros do ano de 2019.

Os dados ressaltam a importância da implementação da segurança de informação para garantia da manutenção da boa reputação da empresa e cumprimento com a proteção de dados.

VER MAIS

ESPECIALISTAS ELOGIAM NOVO SISTEMA DE DEVOLUÇÃO DO PIX

De acordo com o anunciado pelo BC, o mecanismo ajudará a padronizar os procedimentos de devolução de valores em casos em que haja suspeita de fraude ou em situações de eventual falha operacional nos sistemas das instituições financeiras envolvidas na transação. “O novo mecanismo será bem-vindo na tentativa de reduzir os impactos causados pelas fraudes…

VER MAIS

CRIPTOMOEDAS | FISCALIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE FRAUDES

A utilização das criptomoedas está cada vez mais em alta, sendo que, somente em 2020, em meio à pandemia, a moeda digital valorizou cerca de 300%, atingindo uma máxima histórica. Ocorre que, em meio à crescente utilização para diversos fins e a ausência de regularização e fiscalização, as criptomoedas também acabam sendo usadas para lavagem de dinheiro.

Tendo em vista que as instituições financeiras se submetem a normas e legislações próprias, as moedas digitais podem ser consideradas uma inovação ao crime de lavagem de dinheiro, uma vez que não estão vinculados a nenhuma entidade que seja obrigada a fornecer informações financeiras de seus clientes às autoridades ou órgãos públicos.

Segundo relatório publicado pela empresa de pesquisa e análise de segurança em blockchain, Chainalysis, 270 contas de criptomoedas são responsáveis pela conversão de 55% dos fundos ilícitos. O relatório ainda apontou que os golpes de criptomoedas, ransomware, hacks e outras atividades ilegais recorrem principalmente a cinco serviços de exchanges não especificadas.

Tais dados apenas demonstram que a omissão regulatória é o maior obstáculo ao combate à lavagem de dinheiro por meio das criptomoedas. Mostra-se fundamental que haja posicionamento claro e definitivo das instituições sobre as criptomoedas, além de necessária regulamentação, conferindo estabilidade nas relações financeiras e previsibilidade das consequências jurídicas das condutas daqueles que pretendem participar de alguma forma do mercado.

VER MAIS

2021 Viseu Advogados - Todos os direitos reservados. - Desenvolvido por: mufasa